terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Não existe trabalho ruim. O ruim é ter de trabalhar

Eu sempre li aqueles textos, quando era adolescente, falando dos trabalhos "9-to-5". E eu sempre ficava pensando:

Como alguém consegue trabalhar esse tempo todo e ser feliz?

Depois de muito trabalhar (bom, eu considero 1/3 de vida muito tempo trabalhado) eu cheguei à conclusão que não dá pra ser feliz no trabalho. Sério, quem aqui é feliz num emprego nesse estilo? Preso a horários, a chefes, a compromissos que não serve pra p* nenhuma no final das contas? Pra deixar um velho imbecil e suas gerações mais ricas com o trabalho que você foi obrigado fazer ao, sem sua vontade, assinar um contrato com a sociedade.

Aquele tempo que você tá perdendo, gastando com completos estranhos pau-nos-cus, não volta mais. Dinheiro vem e vai, mas, o tempo não! Eu gasto mais tempo com um bando de idiota que eu não dou a mínima do que com quem eu realmente amo! Eu gasto mais tempo fingindo que estou trabalhando do que realmente fazendo algo útil pra mim, ou pra qualquer outra pessoa na verdade. Tudo gira em torno das aparências, mesmo. O foda que eu já aprendi a jogar esse jogo.

Eu sou um dos piores programadores/analistas/gerentes do meu setor e... quem liga? quem fodendo liga? Coitado de um dos nossos "colaboradores" (que nome de merda, quem foi o gestor de RH que inventou isso? Provavelmente ele estava com um consolo de 30cm enfiado no cu na hora em que pensou nisso) - o desgraçado é autista, porém é o melhor programador do setor inteiro. Pergunta quem ganha mais? Eu, que não sei fazer nada direito, por não gostar de fazer nada mesmo, ou ele? Que dá raça o dia inteiro, leva um setor inteiro nas costas e não sabe bulhufas sobre regras sociais? Os pais dele devem estar super felizes porque o filhinho especial chegou onde chegou e ganha mais de 10k por mês. Uau. Tá perdendo a vida também. O pior que eu não sei se ele consegue se expressar, porque aquele ali vai viver desse jeito pra sempre. Quase sinto dó, tirando pelo fato de que acho que ele ainda vai chegar atirando com uma sub metralhadora qualquer dia desses.

Existe um filme que se chama "Office Space". É uma comédia dos anos 90 (1999 para ser mais preciso) que conta a história de um cara que tem um desses empregos e resolve mudar tudo. Tem uma fala desse cara, quando ele vai se consultar com o terapeuta de casais, que é a seguinte:

So I was sitting in my cubicle today, and I realized, ever since I started working, every single day of my life has been worse than the day before it. So that means that every single day that you see me, that's on the worst day of my life.

Eu sinto exatamente a mesma coisa que esse cara sente. Sem tirar nem pôr. Quem mais se sente assim? Será que vale a pena perder a vida num desses empregos? E se não valer? O que dá pra fazer pra mudar? Não, eu não vou largar tudo pra começar do zero. Eu já fui infectado por minhas relações sociais. Eu sou caso perdido nesse sentido. Eu quero mudar, aos poucos, entende? Eu  não gosto de fazer realmente nada.

Se me perguntam o que eu tenho vontade eu digo que não sei! Eu queria uma vida tranquila, uma vida sem responsabilidades, talvez no meio do mato, talvez na beira da praia, talvez vivendo de renda em um lugar afastado, ou no meio da multidão.

Todas as vezes que eu consigo ficar fora do meu trabalho, por menor tempo que seja, eu fico realizado. Não ir trabalhar é a melhor recompensa que eu posso ter na vida. Eu vejo meu contra-cheque e não sinto mais nada (não vou mentir, já senti muito, já senti mais ainda quando soube que eu ganhava mais do que 90% de todos os meus colegas do colégio - quanto aos amigos eu não sinto essa felicidade, saber que eu ganho mais, eu gostaria que todos fossem ricos! Quem sabe eles não estariam dispostos a me sustentar?). Eu faço de tudo para faltar ao trabalho, faço de tudo para fugir das responsabilidades. O problema é que o que eu faço, pra mim, é muito fácil. Para as outras pessoas, nem tanto. Eu não vejo utilidade, mas teve muita gente que viu, aparentemente.

A única coisa que eu quero saber é: qual o sentido disso tudo? Eu vou trabalhar 35 anos (ou mais) da minha vida para quê? O que nos espera depois? Alguém aí sabe responder?

Obrigado.

4 comentários:

  1. O problema nem é o trabalho em sim, é a obrigação. Tudo que fazemos obrigado fica ruim. A coisa mais valiosa da vida é a liberdade de decidir por vc próprio, mas tudo que vc precisa fazer por obrigação deixa de ser prazeroso.

    ResponderExcluir
  2. Me sinto assim todos os dias. O que mata são as obrigações...em 30% do tempo que trabalhamos já conseguimos fazer as tarefas úteis e os restante 70% são só pra cumprir tabela. Meu maior sonho é a liberdade dessa vida. Força aí meu camarada!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde!
    Realizei um mapeamento dos blogs desativados da finansfera...
    http://abacusliquid.com/finansfera-timeline-2/
    Pretende reativar em algum momento?
    Até!

    ResponderExcluir